Páginas

Busca

Translate

17/02/2013

Ser, ou Não Ser?

machina0022

"Ser ou não ser, Eis a questão" Essas épicas palavras de Shakespeare definem bem o atual quadro da nossa sociedade virtual. Pessoas que em sua maioria deixam de ser o que são na realidade e passam a ser outra coisa na internet, exibindo assim nas vitrines das redes sociais uma personalidade quase perfeita de dar inveja em qualquer um. Agora imagine uma massa desses usuários reunidos criando assim uma sociedade perfeita que nos leva a duvidar se é real mesmo, e obviamente não é. Tudo não passa de superficialidade e comodismo.

Confesse, há algo mais superficial do que essa galera que passa o dia inteiro postando frases de efeito do Caio ou da Clarisse, ou de quem quer que seja? Meninos que juram de pé junto nunca olhar para o bumbum e os peitos de uma garota, mas apenas para sua beleza interior. Meninas que dizem não estar atrás de um príncipe. E gente que compartilha foto de pessoas deficientes ou passando fome crendo piamente que isso muda alguma coisa. No fim, tudo isso reflete a motivação obscura de querer impressionar e chamar a atenção dos outros passando uma imagem de bom moço ou boa moça que é fiel nos relacionamentos, que não quer saber de sexo e que se preocupa integralmente com a sociedade. O resultado disto é a formula perfeita de sucesso nas redes sociais.

Desta forma essas pessoas se prendem ao comodismo de achar que compartilhar ou curtir coisas bonitinhas ou emocionantes vai mudar a vida de alguém. Mas é só isso e ponto final. Dai eu me pergunto: Quando este circulo vicioso terá fim? Quando essas pessoas tão bem intencionadas, dispostas a mudar a sociedade e lutar por seus direitos se levantarão e farão essa diferença no mundo real? Até quando NÓS nos limitaremos a falácias tolas pela internet pregando o que não somos? Até quando?! Só digo uma coisa; se não estiver disposto a mudar algo no mundo real é melhor se entupir e ficar na sua. Seja na internet o que você é na realidade, ao menos alguma coisa de bom você terá a oferecer do que ficar exibindo uma personificação utópica de perfeição. Deixo então a questão épica: “Ser ou não ser? Eis a questão!”