Páginas

Busca

Translate

10/07/2011

“Em defesa da família, sou preconceituoso com orgulho!” Dispara Bolsonaro

 

05301613600

Quem  não se lembra do caso em que Bolsonaro, no programa CQC da Band, ao ser questionado pela Preta Gil sobre qual seria sua reação se o seu filho namorasse com uma negra, deu a inesquecível resposta que o eternizou como homofóbico?:

“Preta, não vou discutir promiscuidade com quer que seja. Eu não corro esse risco, e meus filhos foram muito bem educados e não viveram em um ambiente como, lamentavelmente, é o teu”.

A reportagem causou o maior labafero entre os negros, principalmente na comunidade GLS. No Twitter Bolsonaro liderou as Trend Topics, no YouTube os comentários de pessoas contra e a favor da opinião dele nos vídeos publicados pareciam não ter fim, e no final de tudo ‘Preta’ abriu um processo contra o deputado “por todos os Negros e Gays desse País”. E recentemente a revolta das bichas retardadas ficou por conta da absolvição do deputado nesse processo, que segundo o mesmo declarou ter entendido mal a pergunta da ‘Preta’, e teve sua resposta mal compreendida:

“Eu entendi que ela me perguntou o que eu faria se meu filho namorasse um gay (...) Se eu tivesse entendido assim (da forma como a pergunta foi feita), eu diria: 'meu filho pode namorar qualquer uma, desde que não seja uma com o teu comportamento'. Se eu fosse racista, eu não seria maluco de declarar isso numa televisão – afirma”. (LEIA AQUI)

Logo, em uma recente entrevista para a revista ‘Época’,  onde os próprios leitores de todo o Brasil a realizaram, ele foi mais uma vez polemico no quesito ‘homossexualismo’, e também em outros assuntos como a ditadura. Bem, e aqui vai parte dessa entrevista:

 

“Gostaria de saber qual seria a sua reação se alguém de sua família decidisse abertamente pela homossexualidade.
Pio Barbosa Neto, CE
Jair Bolsonaro -
Seria problema dele. Se essa fosse sua opção para ser feliz não estaria (nem poderia) ser proibido por mim mas, certamente, não iria me convencer a frequentar minha casa.

Qual o limite entre a liberdade de expressão e a ofensa à dignidade daqueles que não se enquadram na sua concepção, como os homossexuais?
Alexsandre Victor Leite Peixoto, AL
Bolsonaro -
Minha luta vitoriosa no Congresso foi contra a distribuição do kit gay nas escolas do 1º grau. Não podia me omitir diante do material que estimulava nossos meninos e meninas a ser homossexuais. E deviam se orgulhar dessa condição. No mais, tudo é demagogia, pois certamente não acredito que nenhum pai possa se orgulhar de ter um filho gay. Homossexualismo é comportamento.

Se você estivesse precisando de uma transfusão de sangue e o único sangue doado fosse de um homossexual, aceitaria a transfusão?
Matheus Nunes, RJ
Bolsonaro -
O risco de ser contaminado com o sangue de homossexual é 17 vezes maior do que com o de heterossexual. Duvido que alguém aceite sangue doado por homossexual sabendo desse risco. Cuidar da minha saúde é diferente de ser preconceituoso.

O que o senhor acha sobre a possibilidade de adoção de crianças por pais homossexuais?
Daniel Tonatto, RS
Bolsonaro -
Somos produtos do meio. Uma inocente criança adotada por pais (?) homossexuais certamente será influenciada e possivelmente seguirá o exemplo dos mesmos. Em vez de aceitar a mentira de que é melhor uma criança ser adotada por casal homossexual, prefiro uma séria política de paternidade responsável.

O senhor não acha que estão querendo acirrar ainda mais a homofobia, tratando os homossexuais com diferenciação?
Luiz Curvelo, RJ
Bolsonaro - O PLC 122 que está para ser votado no Senado visa, por exemplo, a condenar de 2 a 5 anos uma pessoa que se negue a vender sua bicicleta a um homossexual. Se aprovado, fará com que um homicida cumpra menos anos de prisão do que quem chame alguém de gay ou bicha.

Se o PL122/06 fosse aprovado, intimidaria os assassinos de homossexuais. Qual seria a ação que o Legislativo deveria tomar para garantir os direitos da população LGBT?
Camilo Oliveira, RJ
Bolsonaro -
A maioria dos homossexuais é assassinada por seus respectivos cafetões, em áreas de prostituição e de consumo de drogas, inclusive em horários em que o cidadão de bem já está dormindo. O PLC 122, na prática, criará uma categoria de vítimas privilegiadas, ou seja, com proteção especial em virtude de sua opção sexual. Assassinar um heterossexual é menos grave que matar um homossexual. Hoje, por exemplo, mais de 10 esposas/companheiras são assassinadas por dia. O que intimidaria a prática de qualquer crime seria a certeza de punição rápida e justa, sendo a pena cumprida em sua totalidade sem qualquer regalia e com trabalhos, ainda que forçados, que pagassem o sustento do preso.

O senhor diz que bateria no seu filho, caso ele fosse efeminado. Frases desse tipo não são, na verdade, uma tentativa de aparecer na mídia e, assim, se eleger novamente?
Flávia de Oliveira, SP
Bolsonaro -
Quando se perde o argumento me acusam de estar à procura de votos. Se posso mudar o comportamento de um filho agressivo ou desrespeitoso por que não poderia mudar o efeminado com a mesma atitude? Homossexualismo, como regra, é comportamento e não genética.

O senhor acha que um deputado federal precisa ser desprendido de preconceitos para avaliar com mais imparcialidade as leis?
Suzan Vitorino, PE
Bolsonaro -
O Congresso é formado por pessoas de todas as vertentes da sociedade e cada parlamentar tem o dever de defender as ideias que o seu eleitorado lhe confia. Se lutar para impedir a distribuição do kit-gay nas escolas de ensino fundamental com a intenção de estimular o homossexualismo, em verdadeira afronta à família é ser preconceituoso, então sou preconceituoso, com muito orgulho.

O Estado por lei deve ser laico. Você não acha errado, como deputado, usar argumentos religiosos para reforçar sua crítica contra homossexuais?
Diego da Cunha, RJ
Bolsonaro -
O Estado é laico, mas seu povo não. Somente católicos e evangélicos somam mais de 90% de brasileiros. A religião é fator de união dos povos e não pode ser desassociada da família, dos bons costumes e da moralidade.

Gostaria de saber se o deputado segue algum tipo de religião.
Suzana Marques, RJ
Bolsonaro -
Acredito em Deus, essa é a minha religião. Sou um católico que, por 10 anos, frequentou a Igreja Batista.” (Leia a entrevista na integra aqui)

 

Eu mesmo sou completamente a favor da opinião dele. Mas já aviso, nem venham me tachar de homofóbico ou preconceituoso porque eu não sou, assim como eu já falei uma vez aqui, uma coisa é você expressar sua opinião sobre o assunto, outra coisa é você ter um ódio doentio a essas pessoas, coisa que eu não tenho. Até porque, o fato de eu não aceitar o homossexualismo, e expressar minha ideia sobre isso, não significa que eu tenho preconceitos. Pelo contrário, eu até respeito essas pessoas e as decisões dela, mas também não quero que me empurrem a ideia de que gostar de uma pessoa do mesmo sexo é natural, porque pra mim não é, e nunca será.

Até mesmo estimo a coragem com que Bolsonaro se expressa, pois está cada vez mais difícil falar qualquer coisa contra a essa minoria militarista que tenta obrigar todos nós a aceitar o estilo de vida deles sem receber um bom processo ou ser odiado. Também parabenizo o esforço e a vitória que não apenas Bolsonaro, mas também todos os deputados tiveram para barrar o ‘Kit Gay’. Tudo bem que queiram ensinar as crianças a respeitar a sexualidade dos outros, mas colocar na cabecinha inocente delas que são gays ou que os pais poderão dar todo o suporte é sacanagem!

Quer dizer, o que um pai de família faria ou pensaria se soubesse que o seu filho está sendo 'ensinado’ a ser gay na escola? Além de indignado e furioso, ele com certeza tiraria o seu da filho da escola, o que seria bem pior. Mas como disse Bolsonaro, qual é o pai que aceita um filho gay?

Outra coisa que também não pra engolir, é esse teatrinho dos homossexuais que ficam se fazendo de coitadinhos que precisam de cuidados especiais. Fala sério, nem mesmo os deficientes ficam se humilhando e fazendo teatrinho como a maioria GLS faz! Pô, o cara sabia que se assumisse gay iria sofrer preconceito, abandono e tudo mais, e mesmo assim escolheu esse caminho, então que aguente!

É claro que, como seres humanos, merecem ser tratados com respeito e devem ter o direito de viver como cidadãos comuns, agora o que não dá é simplesmente quererem ter mais direitos do que uma pessoa como eu e você só por serem Gays. Já que querem ter direitos iguais, então que tenham, mas não mais do que nós ‘meros’ heterossexuais.

Fora que para mim, o governo tem muito mais a se preocupar com crianças que diariamente são vitimas de pedofilia, de violência em suas próprias casas e de exploração de trabalho. E também as mulheres que são agredidas por seus maridos. Além dos homens de bem que lutam diariamente para dar sustento às suas famílias. Sem contar com os deficientes como os cadeirantes que sempre encontram dificuldades para descer ou subir calçadas por não terem rampas de acesso. O governo deve instituir e aplicar leis e projetos que protejam e ajudem essas pessoas, e não que criem leis só para fazer o gostinho dos gays mimados.

São por essas causas que nós devemos lutar e defender, não a causa Gay! Porque enquanto vidas são perdidas e destruídas diariamente, essa minoria, assim como muitos heteros, só querem saber do próprio bem e se esquecem de defender e dar direitos a quem precisa e merece.

Não desejo, é claro, que os homossexuais continuem sendo violentados tanto física, quanto verbalmente. Respeito sempre! Mas é preciso pensar na causa de todos e não apenas na causa deles. Também, não há nexo algum calar a voz dos cristãos brasileiros que tentam alertar a todos os homossexuais que há um Deus disposto a salvá-los, mas que exige o abandono desses sentimentos e desejos. Assim também como não há motivos para ferir as famílias brasileiras levando às escolas um ‘Manual de instruções para ser gay’.

Assim como disse Bolsonaro  se ser preconceituoso é defender a família, então sou preconceituoso com orgulho!

familia-hijos